Home / Mochileiros / Brasil / Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

■ Rio de Janeiro

  • População: População estimada (2018/IBGE) 27.762 pessoas
  • Previsão do Tempo / Rio de Janeiro

A cidade de Rio de Janeiro conta com 6.688.927 pessoas que moram em sua região urbana.

Dessa linha de costa, há 78,4 km de praias. Pode-se considerar que cerca de 72 praias estão habilitadas para o banho de sol, de mar, para o lazer, o esporte, a recreação, a sociabilidade e todas as atividades de apoio geradas por sua intensa utilização.

■ Pontos Turísticos / Rio de Janeiro

Praça Quinze de Novembro
Aterro realizado em local onde antes havia pequenas lagoas, charcos, pântanos, mangues e trechos de mar, a Praça Quinze guarda, no espaço que abrange o Paço Imperial, o Convento dos Carmelitas, o Arco do Teles e a Travessa do Mercado. Modernizada recentemente, a Praça Quinze oferece bares, restaurantes, feiras, museus e intensa movimentação popular.

Cristo Redentor e Morro do Corcovado
Uma das sete novas maravilhas do mundo, o monumento do Cristo Redentor foi inaugurado em 1931, no alto do Morro do Corcovado, na Floresta da Tijuca. A escultura tem 38 metros de altura, além dos 710 metros do Morro do Corcovado e 29,6 metros de envergadura. O Cristo Redentor, feito em concreto armado e pedra sabão, foi projetado pelo engenheiro Heitor da Silva Costa e pelo pintor Carlos Oswald e esculpido pelo francês Paul Landowski, com a ajuda do engenheiro calculista Albert Caquot. A obra de instalação no alto do morro, iniciada em 1926, durou cinco anos.

Biblioteca Nacional
Maior biblioteca da América Latina é uma das principais do mundo, segundo a Unesco. O acervo da Biblioteca conta com cerca de nove milhões de itens, entre livros, documentos, estampas, entre outros. Com história que remonta ao século XIX, quando chegou de Portugal o primeiro acervo, a biblioteca foi adquirida pelo Brasil em 1825 e passou por algumas mudanças de local. O atual prédio foi inaugurado em 1910, com estilo que mistura neoclássico e art nouveau. A Biblioteca Nacional pode ser visitada de segunda a sexta, das 9h às 17h, e também há a possibilidade de visitas guiadas em inglês.

Lapa
Considerados a obra de maior porte empreendida no Brasil durante o período colonial antigo, o Aqueduto da Carioca, conhecido como Arcos da Lapa, tem estrutura em pedra argamassada, apresenta estilo românico, caiada, possui 42 arcos duplos e óculos na parte superior. O conjunto arquitetônico abriga os Arcos da Lapa, o Passeio Público, a Escola Nacional de Música e a Igreja de Nossa Senhora da Lapa. Além disso, o turista pode escolher entre diversas atrações culturais e gastronômicas do bairro boêmio.

Jardim Botânico do Rio de Janeiro
O Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ) foi fundado em 13 de junho de 1808. Ele surgiu de uma decisão do então príncipe regente português D. João de instalar no local uma fábrica de pólvora e um jardim para aclimatação de espécies vegetais originárias de outras partes do mundo.

Atualmente, é um dos dez mais importantes do gênero no mundo e, além de abrigar as mais raras espécies de plantas da flora brasileira e de outros países, é uma ótima opção de lazer para crianças e adultos. As visitações ocorrem às segundas-feiras, das 12h às 17h; e de terça a domingo, das 8h às 17h. E atenção: devido à competição de ciclismo dos Jogos Olímpicos Rio 2016, o Jardim Botânico não abrirá nos dias 6 e 7 de agosto.

Lagoa Rodrigo de Freitas
Unida ao mar pelo canal do Jardim de Alah, entre Ipanema e Leblon, a orla da Lagoa Rodrigo de Freitas abriga parques, quadras de esportes, pista para caminhadas e corrida, ciclovia e um centro gastronômico. As margens da Lagoa são algumas das mais bem equipadas áreas de entretenimento da cidade e convidam a uma caminhada ou passeios de bicicleta, que podem ser alugadas. Os 7,5 km de extensão incorporam os parques dos Patins, Taboas e Catacumba. Na Olimpíada, a Lagoa receberá as competições de remo e canoagem velocidade, nos dias 6 a 13 e 15 a 20 de agosto, respectivamente.

Pão de Açúcar
Primeiro teleférico instalado no Brasil e terceiro no mundo, o bondinho do Pão de Açúcar é uma das principais marcas registradas da cidade do Rio de Janeiro. Nos meses de dezembro, janeiro, fevereiro e julho – de alta temporada – a frequência diária chega a três mil pessoas.

O complexo turístico é formado por três estações – a da Praia Vermelha, Morro da Urca e Pão de Açúcar – interligadas por quatro bondinhos. Cercado por uma vegetação característica do clima tropical, com resquícios de Mata Atlântica, o Pão de Açúcar possui espécies nativas que em outros pontos da vegetação litorânea brasileira já foram extintas, além de ter o maior número de vias de escaladas.

Theatro Municipal
Na Cinelândia, próximo à Biblioteca Nacional, ao Museu Nacional de Belas Artes e ao Palácio Pedro Ernesto, o Theatro Municipal chama atenção não só pela concepção arquitetônica como também pela imponência de sua fachada e a beleza de seu interior. Na construção, foram empregados materiais nobres, como o mármore de Carrara, de veios coloridos, os bronzes e os ônix, os espelhos, o mobiliário, aliados a pinturas e esculturas. A capacidade do teatro é de 2,2 mil pessoas, e a programação pode ser conferida no site.

■ Praias / Rio de Janeiro

Praia do Arpoador
800 metros de areia localizado no começo de Ipanema, delimitado também pelo lindo Parque Garota de Ipanema.

Praia da Barra da Tijuca
É a praia mais longa do Rio, com mais de 18km ao longo da Av. Sernambetiba. O ponto mais movimentado da praia fica situado em frente a Barraca do Pepê, nome do famoso piloto brasileiro de asa-delta, que faleceu em uma competição no exterior.

Praia da Barra de Guaratiba
Situa-se em região de reserva ecológica, entre restinga de marambaia, manguezais e mata atlântica.

Praia de Copacabana
Outro símbolo do Rio de Janeiro é o calçadão de Copacabana, na Avenida Atlântica, em pedras portuguesas brancas e pretas criando um mosaico no formato de ondas. Frequentada tanto de dia quanto à noite, a praia possui quiosques, ciclovia, bicicletários, postos de salvamento com chuveiros e sanitários, hotéis, bares, restaurantes e dois fortes abertos à visitação. Construído em 1914, com o objetivo de reforçar a defesa da Baía de Guanabara, o Forte de Copacabana oferece aos seus visitantes atrações e exposições, além de uma vista panorâmica da costa.

Praia de Grumari
Também localizada em uma área de proteção ambiental, é uma praia com mar forte em meio a um cenário primitivo.

Praia de Ipanema
A praia de Ipanema, eternizada na música “Garota de Ipanema”, de Vinícius de Moraes e Antônio Carlos Jobim, é um dos principais cartões-postais da cidade. Sofisticado e com uma intensa vida noturna, o bairro é repleto de bares e lojas comerciais.

Praia da Joatinga
Para chegar só de carro. Localiza-se no meio da estrada do Joá, que liga São Conrado à Barra da Tijuca. É necessário descer por um caminho entre as pedras para chegar à pequena praia, os mais velhos e as crianças devem ter atenção redobrada. A areia é branquinha, o mar permite tanto a prática do surf quanto o banho. Lugar perfeito para relaxar com a família e para os surfistas pegarem boas ondas.

Praia do Leblon
Com aproximadamente 1,3km, a praia do Leblon se estende de Ipanema até o Mirante do Leblon, uma das mais bonitas vistas de ambas as praias.

Praia do Leme
Compreende-se por praia do Leme o trecho de um quilômetro que vai do morro do Leme até a Av. Princesa Isabel, a partir daí, começa a praia de Copacabana.

Praia da Macumba
É uma praia extensa com quiosques por toda a orla e ciclovia. A pedra do Pontal separa a Praia da Macumba do Recreio. Em maré baixa, um estreito caminho no areia se forma da praia até o pontal, permitindo que se chegue nele. A subida até o alto leva cerca de uma hora. A vista lá de cima vale o esforço da subida. É possível observar, do lado direito, toda a extensão de areia do Recreio à Barra da Tijuca e do lado esquerdo a Prainha. Ponto preferido dos surfistas por suas ondas cheias e compridas praticamente o ano todo, ideal para os long borders.

Praia do Abricó
Única praia naturista do Rio de Janeiro, está situada na Área de Proteção Ambiental de Grumari e possui aproximadamente 1,5 Km de extensão. Um lugar de águas cristalinas, cercada por montanhas e vegetação tropical.

Praia do Diabo
A Praia do Diabo fica à esquerda da Pedra do Arpoador. É uma pequena praia, diante do mar aberto, rodeada de coqueiros. Há uma pequena praça, antes da descida para praia, com bancos onde se pode sentar e apreciar a paisagem desfrutando de uma água de coco bem gelada. Tem esse nome porque quando o mar está virado, fica muito mais violento naquele ponto.

Praia Vermelha
Possui 243 m de areia tendo como cenário principal os morros da Urca e do Pão de Açúcar, fica localizada no bairro da Urca, área militar com poucas residências. Essa praia é bem pequena e tranquila.

Praia da Prainha
Área de proteção ambiental, com 700m de extensão, de mar forte, muito utilizada para a prática do surf.

Praia do Recreio
Uma charmosa enseada com cerca de 2km de extensão no final da Av. Sernambetiba.

Praia da Reserva
Praia de aspecto selvagem, fica entre a praia da Barra da Tijuca e a Praia do Recreio.

Praia de São Conrado
Seu nome oficial é Praia da Gávea, porém mais conhecida como Pepino. É a área de aterrissagem para os praticantes de para-pente e asa-delta, que colorem o céu todos os finais de semana.

■ Como Chegar / Rio de Janeiro

De Carro:
n/d

De Ônibus:
n/d

■ Mapa de Satélite / Rio de Janeiro


■ Fotos / Rio de Janeiro

n/d

■ História / Rio de Janeiro

A cidade é mencionada oficialmente pela primeira vez quando a segunda expedição exploratória portuguesa, comandada por Gaspar lemos, chegou em Janeiro de 1502, à baía, que o navegador supôs, compreensivelmente, ser a foz de um rio, por conseguinte, dando o nome à região do Rio de Janeiro.

Porém só em 1530 a corte portuguesa mandou uma expedição para colonizar a área, em vez de continuar usando-a simplesmente como uma parada em suas aventuras marítimas. Os franceses, por outro lado, tinham estado no Rio de Janeiro e arredores desde o começo do século e estavam dispostos a lutar pelo domínio da região. Em 1560, depois de uma série de escaramuças, os portugueses expulsaram os franceses.

O começo da cidade como tal foi no Morro de São Januário, mais tarde conhecido como Morro do Castelo, e depois na Praça Quinze até hoje centro vital do Rio.

O Rio de Janeiro desenvolveu-se graças à sua vocação natural como porto. Na mesma época em que ouro foi descoberto no Estado de Minas Gerais, no final do século XVII, o Governador do Brasil foi feito Vice-rei. Salvador era capital da colônia, mas a importância crescente do porto do Rio garantiu a transferência da sede do poder para o sul, para a cidade que se tornaria, e ainda é, o centro intelectual e cultural do país.

Em 1808 a família real portuguesa veio para o Rio de Janeiro, refúgio escolhido diante da ameaça de invasão napoleônica. Quando a família real voltou para Portugal e a independência do Brasil foi declarada em 1822, as minas de ouro já haviam sido exauridas e dado lugar a uma outra riqueza: o café.

O crescimento continuou durante quase todo o século XIX, inicialmente na direção norte, para São Cristóvão e Tijuca, e depois na direção da zona sul, passando pela Glória, pelo Flamengo e por Botafogo. No entanto, em 1889, a abolição da escravatura e colheitas escassas interromperam o progresso. Esse período de agitação social e política levou à Proclamação da República. O Rio, então chamado Distrito Federal, continuou sendo o centro político e a capital do país.
No começo do século XX surgiram as ruas largas e construções imponentes, a maioria no estilo francês fin-de-siècle. O Rio de Janeiro manteve sua posição até a inauguração de Brasília como capital da república em 1960. Capital do Estado do Rio de Janeiro, a cidade continua sendo o centro social e cultural do país.

A pessoa natural do Rio de Janeiro, coisas ou fatos a ela relacionados são chamados de carioca, palavra de origem tupi (kari´oka, casa de branco, de kara´i-branco e oka-casa).

Formação Administrativa
A Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, fundada a 01-03-1565, teve logo alguns cargos essenciais providos pelo governador-geral Mem de Sá, como seja, o alcaide-mor, ouvidor, juiz de órgãos e feitor da fazenda. Salvador Correia de Sá nomeou o medidor de terras, para resolver o problema das sesmarias.

A terra fazia, então, parte da capitania doada a Martim Afonso de Sousa. Nada Comprova que ele tenha cedido seus direitos.

Pertenciam à Cidade de São Sebastião as populações ribeirinhas da baía da Guanabara como os centros de povoamento circunvizinhos que eram chamados “freguesia de terra adentro e freguesia da costa a fora”. O termo da Cidade estendia-se, na orla atlântica, de Ponta Negra à Ponta da Marambaia, e, no interior, galgando a serra do mar, antiga a margem direita do curso médio do Paraíba do Sul.

A Carta Régia, de 11-03-1757, atribuiu à Câmara o título de Senado da Câmara e ao ouvidor as atribuições de prefeito.
Em 1763 passa a ser capital do Brasil Colônia transferida da Bahia.

O Alvará de 05-04-1808, cria a Intendência Geral da Polícia da Corte e do Estado do Brasil, ficando o Intendente geral de polícia com as atribuições idênticas às de prefeito.

Sede da antiga capitania do Rio de Janeiro e, também capital da Província do mesmo nome, separou-se desta, em 1834 em virtude do Ato Adicional à Constituição de 1824, para constituir-se no município neutro da Corte. Passa, então, a administração da cidade a ser orientada pelo presidente de sua Câmara.

O Decreto nº 50, de 7-12-1889, do Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil, dissolve a Câmara Municipal e cria o Conselho de Intendência Municipal do Rio de Janeiro, capital da República. O presidente da Intendência Municipal responde pela administração do município.
A Lei nº 85, de 20-09-1892, cria os prefeitos municipais.

Com o advento da República, passou, por força do artigo 2º da Constituição de 24-02- 1891, o antigo município neutro a constituir o Distrito Federal, continuando a ser a Capital do Brasil. O parágrafo único do artigo 3º determinava que o Distrito Federal passaria a constituir um Estado, uma vez efetuada a transferência da Capital do País.
A Constituição de 1946, no seu Ato das Disposições Transitórias, artigo 4º, determina: “efetuada a transferência, o atual Distrito Federal passará a constituir o Estado da Guanabara”.
A 21-04-1960, efetivada a transferência da capital da República para Brasília, em virtude da Lei nº.3.273, de 21-10-1957, o antigo Distrito Federal passou a constituir nova unidade da Federação Brasileira – o Estado da Guanabara, por força da Lei nº.3.752, de 14 –04-1960.
A Constituição do Estado da Guanabara, promulgada pela Assembléia Constituinte a 27-03-1961, dotou o novo Estado de Três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário.

O antigo Distrito Federal, desde o Decreto-lei n.º 12.356, de 10-01-1917, estava com seu território delimitado por circunscrições, chegando, como atualmente, a haver 34 circunscrições.

O Decreto n.º 898, de 09-03-1962, completado pelo de n.º 1.656, de 24-04-1963, dispõe que “para efeito de organização e administração dos serviços de natureza local, fica o território do Estado da Guanabara dividido em 21 regiões administrativas”.

Pela Lei Complementar n.º 20, de 01-07-1974, o município do Rio de Janeiro passou a ser a capital do estado do Rio após a fusão do estado do Rio de Janeiro e da Guanabara.

Em Síntese de 31-XII-1994, o município do Rio de Janeiro é constituído do distrito sede.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Fonte
Rio de Janeiro (RJ). Prefeitura. 2014. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br. Acesso em: jan. 2014.

Ver Mais

Prados

■ Prados População: População estimada (2018/IBGE) 8.979 pessoas Previsão do Tempo /Prados Previsão de Prados/MG oferecido …