Home / Nova Zelândia / Auckland

Auckland

■ Auckland

  • População: População estimada 1,657 milhão (2017) Organização das Nações Unidas

    Auckland é a maior cidade da Nova Zelândia e o destino preferido de estudantes brasileiros que vão ao pais para aprender Inglês, fazer cursos técnicos ou estudar em universidades. Umas das características da cidade é que ela localiza-se sobre um vulcão e há um grande número de gêiseres no local. Localizada entre está situada sobre um estreito que separa dois portos naturais: o porto de Manukau, aberto ao Mar da Tasmânia, a oeste e o de Waitemata, que se abre ao Golfo de Hauraki do Oceano Pacífico, a leste., com centenas de barcos ancorados os quais você poderá apreciá-los velejando todos os finais de tarde diante de um belíssimo por do sol.

    ■ Pontos Turísticos / Antonina

    Bairro Alto
    Com seus rios, cachoeiras e densa vegetação, o local vem se firmando como nova área de lazer e caminhadas ecológicas, não só pelo seu apelo natural, mas pelo interesse histórico, como os vestígios da antiga Usina Cotia, pelo lugar onde teve início a colonização japonesa no Paraná ou ainda pelas inúmeras trilhas, como a da Conceição, que outrora fazia a ligação entre o local e Apiaí (SP) e cujos trechos remanescentes permitem que se percorra o trajeto entre a represa do Capivari e o Bairro Alto.

    Pico Paraná
    Situado na divisa entre Antonina e Campina Grande do Sul, possui 1962 m e é o mais alto do Sul do Brasil. Foi descoberto por Reinhard Maack e conquistado em julho de 1941. Hoje, quando já se comemorou os 78 anos de sua conquista, o pico faz parte do roteiro dos aficionados pelo montanhismo. O ponto culminante pertence à Antonina, mas o acesso é por Campina Grande do Sul.

    Ponta da Pita
    Formação rochosa que avança pela baía, é um agradável local de lazer, ideal para banhos, pescarias e piqueniques. Localiza-se no Bairro Itapema.

    ■ Como Chegar / Antonina

    De Carro:
    É possível chegar até Antonina pela BR-277 e pela antiga Estrada da Graciosa, um passeio à parte e inesquecível. A cidade fica a 90 km de Curitiba e a 50 km de Paranaguá.

    De Ônibus:
    n/d

    De Avião: 
    n/d

    ■ Mapa de Satélite / Antonina

    ■ Fotos / Antonina

    n/d

    ■ História /Antonina

    Os primeiros vestígios de ocupação humana na região de Antonina foram encontrados nos diversos sambaquis existentes no município. Supõe-se que tribos nômades deslocavam-se do planalto para o litoral nos meses mais frios do ano para viverem da pesca e coleta de mariscos. Existem evidências de dois grupamentos humanos distintos que freqüentavam esta região: os primeiros, denominados ‘sambaquis’ e posteriormente os índios Carijós, raça mais evoluída que acabou por expulsá-los para se estabelecer no local.
    Sob a luz da colonização portuguesa, entre 1648 e 1654, Antonio Leão, Pedro de Uzeda e Manoel Duarte receberam de Gabriel de Lara, que era Capitão Povoador e Sesmeiro de Nova Vila (Paranaguá), três sesmarias no litoral antoninense, sendo seus primeiros povoadores.
    A penetração da costa resultou em 1712 no estabelecimento de Sargento-Mor Manoel Valle Porto em ilha situada no fundo da baía, a qual recebeu o nome de ilha da Graciosa, hoje com o nome de Ilha do Corisco.
    No começo do século XVIII, salientava-se na região do sítio da Graciosa, onde Valle Porto passava longas temporadas, dirigido os serviços de mineração e agricultura de seus escravos e administradores. Nos arredores, algumas mulheres devotas consagravam culto a Nossa Senhora do Pilar Celebrando todos os anos, a 15 de agosto, festividades em homenagem à santa. Tais festividades eram assistidas por Valle Porto, mineiros, faiscadores e lavradores da redondeza.
    Em 1714, Dom Frei Francisco de São Jerônimo, bispo do Rio de Janeiro, autorizou a construção de uma capela em homenagem à Virgem do Pilar nesse pequeno povoado. Assim, o dia de 12 de setembro de 1714 ficou considerada a data de fundação da Antonina.
    A região ficou reconhecida como Capela, daí seus habitantes serem chamados de capelistas.
    No início do século, fase de ouro do ciclo da erva-mate, o porto de Antonina chegou a ser o 4º mais importante do país em volume de movimentação de cargas. Foi nessa época que a cidade cresceu rapidamente e pela primeira vez ganhou belos prédios, um teatro e um lugar de destaque no cenário político do estado. A queda na produção do mate e a Segunda Guerra Mundial acabaram por deslocar o centro portuário do estado para Paranaguá e a cidade que vivia do porto e para o porto começou a declinar aos poucos.
    O topônimo Antonina é homenagem prestada ao Príncipe da Beira, D. Antônio, segundo filho de D. João e de D. Carlota Joaquina.

    Formação Administrativa
    Elevada à freguesia, com a denominação de Nossa Senhora do Pilar da Graciosa em 27-02-1761.
    Elevado à categoria de vila com a denominação de Antonina, em 29-08-1797, desmembrada da antiga vila de Paranaguá. Sede na antiga povoação de Pilar. Instalada em 06-11-1797.
    Elevado à condição de cidade com a denominação de Antonina, pela Lei Provincial n.º 14, de 21-01-1857.
    Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituído do distrito sede.
    Assim permanecendo em divisão administrativa referente ao ano de 1933.
    Em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, o município aparece constituído de 2 distritos: Antonina e Cacatu.
    Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1960.
    Pela Lei Estadual n.º 4.983, de 11-12-1964, é criado o distrito de Cachoeira de Cima e anexado ao município de Antonina.
    Em divisão territorial datada de 31-XII-1968, o município é constituído de 3 distritos: Antonina, Cacatu e Cachoeira de Cima.
    Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.
    Fonte
    Antonina (PR). Prefeitura. 2013. Disponível em: http://www.antonina.pr.gov.br. Acesso em: out. 2013.